#b-navbar { display: none; }

terça-feira, maio 10, 2016

Sou a mulher que se mata por amor a ti
e a mulher por amor de quem se morre
Sou o rapaz que há como uma água turva
na mulher por quem se morre
o bucal húmido do telefone onde ela expia
pensamentos violentos como plumas
Sou a pluma que lhe abre os lençóis
a lasca de madeira sobre a mesa
a lâmina à espera
que a nudez dê frutos
Sou aquilo que fere o rapaz
e a roupa que o tapa
Sou o brilho da janela onde a mulher
se balança


Andreia C. Faria



 photo ANNETTE PEHRSSON3.jpg

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home