#b-navbar { display: none; }

domingo, maio 03, 2020

Nunca omitir os infortúnios
e contar cada história até
ao fim. Tapar com panos
os espelhos; facas debaixo
da mesa. Consolar a coruja e
trinchar o morcego.
Nunca perder a raiva, aconteça
o que acontecer. Deixar entrar
quem quer que seja.





Hans-Ulrich Treichel









samuel-bradley2

segunda-feira, abril 13, 2020

Um minuto sobre o lado
esquerdo.
Um minuto sobre o lado
direito.
Um pouco de costas,
um segundo sobre o ventre.
Dou voltas no vazio.
Frio nos meus sonhos,
frio na minha cama.
Os ladrões de sono saquearam a minha noite,
um deles
teve pena de mim
e deixou-me a manhã
na mesa-de-cabeceira.



Maram-Al-Masri




valeria-lazareva-10

sexta-feira, abril 10, 2020

Comprei um vestido novo, um vestido de interior, próprio de casa, longo, para uma hora de uma certa tarde, para algumas noites no meu apartamento, sei para quem, agrada-me porque é comprido e leve, e alem disso explica que vou ficar muito tempo em casa, a partir de hoje. Para o provar, não queria que Ivan estivesse aqui, Malina muito menos; por ele não estar, posso olhar-me à vontade no espelho, dou voltas e mais voltas diante do enorme espelho do corredor, a mil léguas, a uma distância abissal, astronómica dos homens. Por uma hora, posso viver fora do tempo e do espaço, verdadeiramente contente, transportada a uma lenda onde o perfume de um sabonete, o ardor duma água-de-colónia, o frufru de roupa interior, o gesto da mão mergulhando borlas na caixa do pó, ou retocando meditativamente uma sobrancelha, são a única realidade. É uma obra que se vai realizando, uma mulher que se cria para um vestido. No mais profundo segredo se esboça de novo o que é uma mulher, pensa-se no começo do mundo, num halo que não dá luz para ninguém. É preciso escovar vinte vezes os cabelos, untarem-se os pés de unhas envernizadas, é preciso depilar pernas e axilas, abrir e fechar o chuveiro, uma nuvem de pó inunda a casa de banho, olha-se no espelho, ainda é domingo, consulta-se o espelho, na parede, talvez já seja domingo.




Ingeborg Bachmann



anni-leppalla1

segunda-feira, abril 06, 2020

Às pessoas saudáveis faço o seguinte apelo: não teimem em ler apenas esses livros saudáveis, travem um conhecimento mais estreito, também, com a literatura dita doentia, que vos transmitirá decerto, uma cultura edificante. As pessoas saudáveis deviam sempre expor-se um pouco ao perigo. Senão, com mil raios, para que serve ser saudável?











Robert Walser











Photobucket

Etiquetas:

quinta-feira, abril 02, 2020

Era como eles sempre disseram,
Os cegos, os mudos, os abandonados como mortos,
Os que sempre acreditaram na noite,
Os avós que procuravam a luz
Mas só davam com os postigos dos quartos
Esmagados por um mar que lhes rosnava
E submergia e lhes roubava o ar
Para os castigar pelo seu desejo.




Harold Pinter



Aino-Kannisto5

segunda-feira, março 30, 2020

Respirar
o menos possível
nestas cidades
de uma tristeza
sem idade
abrindo o espaço
com os gestos lentos de um náufrago
a caminho
do fundo

A noite sobe-me
na voz
como um lugar
capaz de imaginar
sozinho
o seu cenário
onde o azul
dorme
numa cave
com os cães


Ernesto Sampaio




eriverhijano4

quinta-feira, março 26, 2020

depois da chuva
ando devagar no escuro

para fazer de conta que estou à espera
acendo a luz por toda a casa

lá fora os cães ladram

mas o silêncio é o lugar da casa
e no soalho ficam os passos
o som das palavras que se dizem baixinho


Maria Sousa



sarahjones