#b-navbar { display: none; }

segunda-feira, abril 06, 2020

Às pessoas saudáveis faço o seguinte apelo: não teimem em ler apenas esses livros saudáveis, travem um conhecimento mais estreito, também, com a literatura dita doentia, que vos transmitirá decerto, uma cultura edificante. As pessoas saudáveis deviam sempre expor-se um pouco ao perigo. Senão, com mil raios, para que serve ser saudável?











Robert Walser











Photobucket

Etiquetas:

quinta-feira, abril 02, 2020

Era como eles sempre disseram,
Os cegos, os mudos, os abandonados como mortos,
Os que sempre acreditaram na noite,
Os avós que procuravam a luz
Mas só davam com os postigos dos quartos
Esmagados por um mar que lhes rosnava
E submergia e lhes roubava o ar
Para os castigar pelo seu desejo.




Harold Pinter



Aino-Kannisto5

segunda-feira, março 30, 2020

Respirar
o menos possível
nestas cidades
de uma tristeza
sem idade
abrindo o espaço
com os gestos lentos de um náufrago
a caminho
do fundo

A noite sobe-me
na voz
como um lugar
capaz de imaginar
sozinho
o seu cenário
onde o azul
dorme
numa cave
com os cães


Ernesto Sampaio




eriverhijano4

quinta-feira, março 26, 2020

depois da chuva
ando devagar no escuro

para fazer de conta que estou à espera
acendo a luz por toda a casa

lá fora os cães ladram

mas o silêncio é o lugar da casa
e no soalho ficam os passos
o som das palavras que se dizem baixinho


Maria Sousa



sarahjones

terça-feira, março 24, 2020

Que significaria pensar
que se é parte de uma geração
que tem simplesmente de passar?
Que significaria viver
no deserto, procurar viver
uma vida humana, algo
a transmitir aos filhos
para levar até à terra?
Que significaria pensar
que se nasceu acorrentado e que só o tempo,
nada do que se possa fazer
poder redimir a escravidão
em que nasceu?



Adrienne Rich



nicholas-nixon2

segunda-feira, março 23, 2020

Tal como às vezes entramos num quarto, sem saber porquê,
e depois temos de voltar atrás seguindo o rasto da nossa intenção,
tal como conseguimos tirar uma coisa do armário sem tactear
e só depois de a agarrarmos ficamos a saber o que é,
tal como pegamos num embrulho para o levarmos a algum lado
e, ao sairmos, pensamos sempre com um susto
que somos leves demais, tal como, enquanto esperamos
nos apaixonamos loucamente por uma cara nova,
mas somos afinal nós quem mais espera,
tal como sabemos: este lugar lembra-nos algo mas não sabemos o quê,
e nos ocorre um cheiro qualquer, em forma de recordação,
tal como sabemos de quem devemos desconfiar
e em quem podemos confiar, com quem nos podemos deitar,
é assim, acho, como os animais pensam, conhecem o caminho.



Judith Herzberg



BrandiMD

sexta-feira, março 20, 2020

Um espaço interior
criei
nestes poemas

onde estalam os móveis
e os sentidos

onde as ideias
a meia-luz
respiram

e a vida
as imagens
não se reflectem

nos vidros

António Reis



drawers-veit