#b-navbar { display: none; }

quinta-feira, setembro 15, 2016

Dias que não são dias. São noites. Apressamo-los. Noites que são de novo dias. Despertamos extenuados. Nasceu o sol, mas nós, nós não amanhecemos. Deambulamos sem propósito esbarrando nas portas, nas esquinas da casa, na cadeira em que nos encontramos sentados. Tropeçando em nós próprios. Praguejando entredentes



Bénédicte Houart



 photo AnneeOlofsson_1.png

quarta-feira, setembro 14, 2016

Amanhã não sei
se me contemplam
as coisas, se de novo
voltará

a miragem desse nada
amachucado. Errante
astro absurdo

as mãos nos bolsos
sobre o soalho
rangendo

vou.


José Carlos Soares



 photo rebeccafinch_2.jpg

quinta-feira, setembro 08, 2016

que dia é hoje em redor do tempo

a erva cresce acende o fogo a cada flor
é uma maneira distinta de praticar o inteiro:
antever o desfecho da cordilheira solar

montado ainda na bicicleta da manhã



miguel-manso



 photo sasha_bojko_9.jpg

sexta-feira, setembro 02, 2016

Todas as manhãs, entre o enfiar
do sapato esquerdo e do sapato direito
(...) vê a vida desfilar-lhe diante dos olhos.
Por vezes só a custo consegue
calçar o sapato direito.





Judith Herzberg




Photobucket

quarta-feira, agosto 24, 2016

PRÓLOGO

A poesia é para se ser livre. Não é estanque. Não existem academias ou falsas humildades. Falsas volúpias. Não está na escola ser-se o que não se é. Não devia. O útero do papel no limite, não é formal. É gravidez. É Luz. A liberdade não é, portanto, formal. É digna mas não é formal. E este útero de que falo, é livre. Os poemas, a escrita, estão sempre correctos desde que se pareçam com borboletas passando as asas na nossa pele. A poesia é uma borboleta. Atentíssima. Está na origem dos jardins, da fruta quieta na árvore, das flores desassossegadas. Está na liberdade do voo dos pássaros. Não termina nunca. O fim do mundo é, só por si, um poema lindo. É para se ser livre. Para se ter espaço. A poesia não analisa nada. Realiza, constrói e destrói. Mata. Estrelas a mais barrando a subida – pouca gente lhe chega. A minha posição em relação a ela, é a de um animal submisso. Ela toca-me e abro as mãos, estendo os braços. Abro os olhos. Sou a águia. Vejo tudo. Respiro. Voo. Caço. É para ser livre. Ela caminha soberba. Não é o paraíso. A poesia é a mais ilustre e verdadeira ave de rapina.



Patrícia Baltazar



  photo Joel Meyerowitz.jpg

terça-feira, agosto 09, 2016

Axioma: Tu és o mar
as tuas pálpe
bras curvam-se sobre o caos.

as minhas mãos
onde te tocam, criam
pequenas ilhas habitadas

em breve tu serás
todo terra: uma terra
conhecida, um país.




Margaret Atwood
tradução minha



 photo ANNETTE PEHRSSON222.jpg

terça-feira, agosto 02, 2016

ACEITAR A PERDA


Estou a morrer e ninguém me diz se por desuso
ou educado
esquecimento.
Para onde, em segredo
deserto.
Ouve: quem sou?
O que é um poeta? Uma criança,
filha
da rima
a quem se diz não fales com a boca cheia? Tira os cotovelos
de cima da mesa?
Tantas palavras. Muitas são as que não distingo.
Branco,
por exemplo.
Embora escute branco como a neve,
uma mortalha,
o leite: Acaso, branca, a fome masculina
do teu seio
também? — Pensava que o desejo era branco.
Mas branco, branco, terrivelmente branco,
apenas o olhar
que vendo se vê demasiado
e em pura crueldade
e indiferença,
ó morte — única mãe.



Eduarda Chiote



 photo Aino_Kannisto2.jpg