#b-navbar { display: none; }

quinta-feira, fevereiro 17, 2011

Irei eu se ele for
na cavalgada.

Irei eu a galope em meus pés
veloz por entre as avezinhas
do fundo das águas-furtadas
em águas de lábios furtadas
veloz e espessa como a torrente
de um parto.

Irei eu em todas as minhas mãos
pégasos e ventanias
o corpo preso por um frio gentil
o corpo a tilintar de sonhos.

Serei eu o que ele for
na cavalgada.

Irei eu sem música sem mesa posta
dar-lhe prato verde
onde caibamos os dois dar-lhe
este emudecimento este abatimento cardíaco
da floresta.




Catarina Nunes de Almeida




Photobucket

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home