#b-navbar { display: none; }

quarta-feira, outubro 20, 2010

É amargo o coração do poema.
A mão esquerda em cima desencadeia uma estrela,
em baixo a outra mão
mexe num charco branco. Feridas que abrem,
reabrem, cose-as a noite, recose-as
com linha incandescente. Amargo. O sangue nunca pára
de mão a mão salgada, entre os olhos,
nos alvéolos da boca.
O sangue que se move nas vozes magnificando
o escuro atrás das coisas,
os halos nas imagens de limalhas, os espaços ásperos
que escreves
entre os meteoros. Cose-te: brilhas
nas cicatrizes. Só essa mão que mexes
ao alto e a outra mão que brancamente
trabalha
nas superfícies centrífugas. Amargo, amargo. Em sangue e exercício
de elegância bárbara. Até que sentado ao meio
negro da obra morras
de luz compacta.
Numa radiação de hélio rebentes pela sombria
violência
dos núcleos loucos da alma.




Herberto Helder



2 Comments:

Blogger ana c. said...

não sou uma fã incondicional do herberto helder. hoje, por acaso, estive a lê-lo e foi com surpresa e nó na garganta que devorei, aqui, este poema.

20/10/10 13:51  
Blogger jorge vicente said...

o herberto é uma força da natureza.

as águas jorram no meu corpo.

grande abraço
jorge vicente

20/10/10 23:47  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home