#b-navbar { display: none; }

terça-feira, setembro 01, 2009

A casa desabitada que nós somos
pede que a venham habitar,
que lhe abram as portas e as janelas
e deixem passear o vento pelos corredores.
Que lhe limpem
os vidros da alma
e ponham a flutuar as cortinas do sangue
– até que uma aurora simples nos visite
com o seu corpo de sol desgrenhado e quente.
Até
que uma flor de incêndio rompa
o solo das lágrimas carbonizadas e férteis.
Até que as palavras de pedra que arrancamos da língua
sejam aproveitadas para apedrejarmos a morte.





Albano Martins





Photobucket

1 Comments:

Blogger T.H. said...

nem mais

1/9/09 03:02  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home