#b-navbar { display: none; }

segunda-feira, julho 20, 2009

tradução caseira da lebre


Chamo-me Ofélia. Aquela que não vai conseguir aguentar. A mulher no patíbulo. A mulher com as artérias cortadas. A mulher com overdose NOS LÁBIOS NEVE. A mulher com a cabeça no forno de gás. Ontem parei de me matar. Estou sozinha com os meus peitos as minhas coxas o meu colo. Eu arranco os instrumentos da minha prisão o banco a mesa a cama. Eu destruo o campo de batalha que era a minha casa. Arranco as portas das suas dobradiças para deixar entrar o vento e o grito do mundo. Eu rebento a janela. Com as minhas mãos a sangrar eu rasgo as fotografias dos homens que eu amei e que me usaram na cama na mesa na cadeira no chão. Pego fogo à minha prisão. Atiro a minha roupa para o fogo. Eu desenterro o relógio que era o meu coração para fora do meu peito. Vou para a rua, vestida no meu sangue.





Heiner Mueller





Image Hosted by ImageShack.us

3 Comments:

Blogger menino mau said...

post brutal!!! :D

20/7/09 00:54  
Blogger Frioleiras said...

triste..........

(tristezas não pagam vidas..)

21/7/09 00:59  
Blogger menina limão said...

(emprestas-me isso?)

<3

21/7/09 19:58  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home