#b-navbar { display: none; }

quinta-feira, maio 21, 2009

Os poemas podem ser desolados
como uma carta devolvida,
por abrir. E podem ser o contrário
disso. A sua verdadeira consequência
raramente nos é revelada. Quando,
a meio de uma tarde indistinta, ou então
à noite, depois dos trabalhos do dia,
a poesia acomete o pensamento, nós
ficamos de repente mais separados
das coisas, mais sozinhos com as nossas
obsessões. E não sabemos quem poderá
acolher-nos nessa estranha, intranquila
condição. Haverá quem nos diga, no fim
de tudo: eu conheço-te e senti a tua falta?
Não sabemos. Mas escrevemos, ainda
assim. Regressamos a essa solidão
com que esperamos merecer, imagine-se,
a companhia de outra solidão. Escrevemos,
regressamos. Não há outro caminho.




Rui Pires Cabral




Photobucket

2 Comments:

Blogger T.H. said...

de onde raio és tu, com essa pertinência persistente?

22/5/09 00:16  
Blogger lebredoarrozal said...

:)










sou a lebre:)

22/5/09 04:11  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home