#b-navbar { display: none; }

terça-feira, fevereiro 26, 2008

Já não te amo como no primeiro dia. Já não te amo.

No entanto continuam em volta dos teus olhos, sempre, estas imensidades que rodeiam o olhar e esta existência que te anima no sono.

Continua também esta exaltação que me vem por não saber o que fazer disto, deste conhecimento que tenho dos teus olhos, das imensidades que os teus olhos exploram, por não saber o que escrever sobre isso, o que dizer, e o que mostrar da sua insignificância original. Disso, sei apenas o seguinte: que já não posso fazer nada a não ser suportar esta exaltação a propósito de alguém que estava ali, de alguém que não sabia que vivia e de quem eu não sabia que vivia, de alguém que não sabia viver dizia-te eu, e de mim que o sabia e que não sabia que fazer disso, desse conhecimento da vida que ele vivia, e que também não sabia que fazer de mim.

Dizem que o tempo do pleno verão já se anuncia, é possível. Não sei. Que as rosas já ali estão, no fundo do parque. Que às vezes não são vistas por ninguém durante o tempo da sua vida e que ficam assim ali no seu perfume esquartejadas durante alguns dias e que depois se deixam cair. Nunca vistas por esta mulher solitária que esquece. Nunca vistas por mim, morrem.

Estou num amor entre viver e morrer. É através desta ausência do teu sentimento que reencontro a tua qualidade, essa, precisamente, de me agradares. Penso que apenas me interessa que a vida não te deixe, outra coisa não, o desenvolvimento da tua vida deixa-me indiferente, não pode ensinar-me nada sobre ti, só pode tornar-me a morte mais próxima, mais admissível, sim, desejável. É assim que permaneces face a mim, na doçura, numa provocação constante, inocente, impenetrável.


E tu não sabes.



Marguerite Duras


Photobucket

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

'ínvios são os caminhos'.
belíssimo, ainda que muitas outras palavras ocorram também - indomável poderia ser uma delas.

flores,

gi.

26/2/08 08:47  
Blogger Tinta no Bolso said...

o amor é forte
mesmo quando morre

26/2/08 09:41  
Blogger nuno said...

o homem atlântico marcou-me sempre. é dos textos a que regresso muitas vezes.

26/2/08 13:26  
Blogger marta said...

Lebre as palavras da Marguerite Duras aqui fizeram-me mossa ... nada de pessoal mas que caramba ... gostava numa dada altura da minha vida de ter tido o génio de dizer o sentir assim!


Olha vou-te roubar as palavras mas com honestidade :)

26/2/08 17:15  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home