#b-navbar { display: none; }

sexta-feira, março 30, 2007

O tempo corre nas paredes livremente
mas não toma a direcção da morte: ela esteve aqui
desde o princípio, uma vocação adormecida
debaixo do estuque.

A manhã nasce viciada nos brandos venenos
que os móveis destilam, haverá pombas
sobre o parapeito, o senhorio arrastará o chinelo
sob um eco que caminha pelo tecto.
Nada poderá perturbar a fluência da penumbra
nos cantos para onde se varre a casa
aos domingos. A pele respira tenuamente mas não posso falar
em tristeza. Este é o meu endereço, um lugar composto
para a submergência.



Rui Pires Cabral



Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home