#b-navbar { display: none; }

terça-feira, janeiro 23, 2007

Agora vai ser assim: nunca mais te verei.
Este facto simples, que todos me dizem ser simples, trivial,
e humano, como um destino orgânico e sensato,
fica em mim como um muro imóvel, um aspecto esquecido
e altivo de todas as coisa, de todas as palavra.
Sempre nos separaram as circunstãncia, e a essência
mesma dos dias
, quando entre a relva e a copa das árvores
me esquecia de pensar, e o ar passava
por mim antes de erguer os caules verdes e alimentar
a vida sem imagens da paisagem. Marcávamos férias
em meses diferentes. O fim do ano, a páscoa, calhavam sempre
em outros dias. Tesouras surdas
rompiam o cordão dos telefones, e por engano
urgentes cartas atravessavam o planeta, apareciam
anos depois no arquivo municipal. E mais: a minha idade,
a tua, não poderiam nunca encontrar-se no mundo.



António Franco Alexandre



Photobucket - Video and Image Hosting

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Certamente houve um engano...

23/1/07 12:47  
Blogger lebredoarrozal said...

engano?

23/1/07 23:45  
Blogger magarça said...

Gosto tanto dos poemas de amor (e desamor) de AFA...

25/1/07 23:30  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home