#b-navbar { display: none; }

domingo, julho 02, 2006

Comprei um vestido novo, um vestido de interior, próprio de casa, longo, para uma hora de uma certa tarde, para algumas noites no meu apartamento, sei para quem, agrada-me porque é comprido e leve, e alem disso explica que vou ficar muito tempo em casa, a partir de hoje. Para o provar, não queria que Ivan estivesse aqui, Malina muito menos; por ele não estar, posso olhar-me à vontade no espelho, dou voltas e mais voltas diante do enorme espelho do corredor, a mil léguas, a uma distância abissal, astronómica dos homens. Por uma hora, posso viver fora do tempo e do espaço, verdadeiramente contente, transportada a uma lenda onde o perfume de um sabonete, o ardor duma água-de-colónia, o frufru de roupa interior, o gesto da mão mergulhando borlas na caixa do pó, ou retocando meditativamente uma sobrancelha, são a única realidade. É uma obra que se vai realizando, uma mulher que se cria para um vestido. No mais profundo segredo se esboça de novo o que é uma mulher, pensa-se no começo do mundo, num halo que não dá luz para ninguém. É preciso escovar vinte vezes os cabelos, untarem-se os pés de unhas envernizadas, é preciso depilar pernas e axilas, abrir e fechar o chuveiro, uma nuvem de pó inunda a casa de banho, olha-se no espelho, ainda é domingo, consulta-se o espelho, na parede, talvez já seja domingo.


Ingeborg Bachmann


Photobucket - Video and Image Hosting

2 Comments:

Blogger mario said...

Os dedos das mãos da menina na foto, os seus dedos dos pés: cruzados prendem o mundo-futuro, a segunda-feira. A lebre transforma a lucidez numa tontura boa. Este quarto começa a ser um sonho recorrente:)

3/7/06 10:38  
Blogger Silvia Chueire said...

Bela escolha. Texto e fotografia.
Obrigada por trazê-los a nós.

Abraço,

Silvia Chueire

3/7/06 15:31  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home