#b-navbar { display: none; }

sexta-feira, maio 19, 2006

São os olhos que aproximam os lugares ao coração.
Agora que regressamos é nisto que penso
enquanto fazemos sinais uns para os outros com as luzes
dos carros, na rápida estrada, ao anoitecer.
Olha-se devagar para a vida e sobretudo assim
damos conta dos silêncios,
dos nomes devolvidos ao tão breve silêncio.
A casa vincada pela névoa, a
aldeia imobilizada ao passearmos em grupos,
o café que me conforta quando o recebo entre as mãos.
Como dizer que são estas as mais secretas regiões da alma
a que voltamos sempre
nos maiores frios de Dezembro?
Se de repente dizem que estamos a uma eternidade
frágil dos dias inquietos,
cruzas uma palma da mão sobre a outra e olhas para as
unhas, rindo de quando em vez para mim, que fico tão feliz.
E no regresso, quando os sobressaltos se repetem
e anoitece nas estradas vazias e o mundo adormece,
há uma solidão que estremece as bermas e nos aflige debaixo da
língua, como uma chuva miudinha.
Como falar depois da tua inclinada cara a meu lado
e do recanto mais longínquo dos pinhais?
Como acreditar que o tempo não trará aos olhos a maior
solidão
em que ficamos ?

Rui Coias

1 Comments:

Blogger M said...

tão simples e claro o quotidiano.
muito bonito.

19/5/06 10:03  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home