#b-navbar { display: none; }

terça-feira, maio 09, 2006

nas horas em que as mãos insistem em ter frio
está no meio da casa
com os dedos a recortar o ar
o calor por vezes não passa de um cigarro perdido no vazio

é sempre tarde para conhecer todas as palavras que abandonam a pele

nada habita o que só a mulher repete
talvez o tempo seja este espaço a
esfregar os olhos

quando as palavras contornam as sombras
fechar os olhos ao deixado para trás

apetece-lhe dizer: estou aqui
a tentar brincar com fósforos
a retirar saudade do que da chama queima

sem me queimar


Maria

Photobucket - Video and Image Hosting

7 Comments:

Blogger dama said...

Obrigada pela partilha.

10/5/06 12:00  
Blogger margarete said...

ah fadista!



«o calor por vezes não passa de um cigarro perdido no vazio

é sempre tarde para conhecer todas as palavras que abandonam a pele

nada habita o que só a mulher repete
talvez o tempo seja este espaço a
esfregar os olhos»

o poema é todo bonito, gostei especialmente desta parte :)

10/5/06 12:44  
Blogger margarete said...

Maria :)

10/5/06 12:44  
Blogger contraluz said...

gostei muito.disse-me muito.

10/5/06 19:03  
Blogger alex said...

o calor por vezes não passa de um cigarro perdido no vazio.

ouch. :/

10/5/06 20:29  
Anonymous ana luisa said...

gosto muito dos teus poemas, Maria. este é lindo, fica guardado à sombra :)

10/5/06 23:07  
Blogger João Villalobos said...

Muito estranho! Já tinha deixado um comentário mas desapareceu :(
Dizia que a minha frase preferido de um poema todo ele bom era esta:
«é sempre tarde para conhecer todas as palavras que abandonam a pele». Espantosa!

Bjs

11/5/06 12:54  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home