#b-navbar { display: none; }

terça-feira, maio 02, 2006

Escreves-me cartas, sou o destinatário
da tua solidão. E sempre compreendo
tudo, mesmo o que não dizes, o que tinge
as entrelinhas de um branco desespero

que é tanto teu como meu: não tens
quem te salve, envelheceste, trataste mal
de um jardim que não chegou a vingar.
Se nos cruzássemos nas ruas desta cidade

entre desconhecidos de toda a sorte, talvez
nos sentássemos a falar da nossa vida, isto é,
de como vamos ficando cada vez mais orfãos
de nós próprios. Ou, pensando bem, talvez não.


Rui Pires Cabral

Photobucket - Video and Image Hosting

3 Comments:

Blogger M said...

ai...

2/5/06 15:05  
Blogger Arroz de Estragão said...

Parabéns pelo poste; parabéns pelo blogue. Muito inspirador.

Saúde e até breve.

3/5/06 00:30  
Blogger alex said...

ouch. :/

3/5/06 15:26  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home