#b-navbar { display: none; }

quarta-feira, março 01, 2006

O silêncio
abre
o coração das sombras.
Por tal sossego, as árvores
caminham. Mas são as mulheres quem lhes assegura
a elegância do porte.

A harmonia vem do peso da luz
sob a cabeça. Das mãos em arco: os ramos seguram.
Altas são as folhas. Simples.
Lisa a copa.

Não há rumor na terra.
As feras não nasceram ainda. Apenas os peixes.
Fora de água
respiram.

Sim.
O mundo pode ser belo,
apesar de só.

Basta-lhe o fulgor no mais escalvado da noite
e meninos esbeltos e
gelados no sol.
E uma beleza dificílima. E um cauteloso
azul nas garças abatidas pelo céu.
E um primeiro espanto,
uma primeira alegria nas fendas
em direcção
ao pó.


Eduarda Chiote



Image hosting by Photobucket

3 Comments:

Blogger João Villalobos said...

Maravilha de poema! Também gosto de ver algumas árvores como mulheres, as olaias principalmente :)

2/3/06 11:15  
Blogger lebredoarrozal said...

:)

3/3/06 03:15  
Blogger Nelson Silva said...

esplêndido!

8/3/06 03:59  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home