#b-navbar { display: none; }

terça-feira, janeiro 03, 2006

NÃO TENHO CASA PARA ONDE VOLTAR

nem esperança onde me abasteça
por isso caminho.

As casas entram em derrocada quando passo
a terra é uma serapilheira de escombros.
Detenho-me a admirar as pás mecânicas
os movimentos das escavadoras eriçam-me de desejo.
De noite as contemplo:
os perfis imóveis das pás
descansando sobre o céu azul cobalto
ao lado da lua de luz nacarada
são ainda mais belos que os braços dos homens que as manipulam
e as escavadoras
com as suas enormes bocas abertas e cheias ainda
de terra e escombros
parecem enormes animais mortos.

Os meus pais ensinaram-me a nunca ter nada.
Ensinaram-me a nunca voltar para casa
a nunca dizer esta casa é minha
aqui moro eu
neste lugar que amo.

Fecho a porta e não preciso de olhar para trás para saber
que a casa já não existe.
Em nenhum lado sem falar com ninguém moro
mas se nos encontrarmos
posso ensinar-te a caminhar sorridente sobre a desolação.


Miriam Reyes



Image hosted by Photobucket.com

1 Comments:

Blogger DiAngellis said...

Um bom ano para si, mailinda. **

3/1/06 13:16  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home