#b-navbar { display: none; }

sábado, setembro 17, 2005

"Maybe one day you'll escape your past. If you do, look for me."

Siboney, yo te quiero yo me muero por tu amor.
Siboney, en tu boca la miel puso su dulzor.
Ven aquí, que te quiero
y que todo tesoro eres tú para mí.

Siboney, al arrullo de las palmas pienso en ti.
Siboney de mi sueño
si no oyes la queja de mi voz,

Siboney si no vienes me moriré de amor.
Siboney de mis sueños te espero
sin ansia en mi caney,

Siboney si no vienes yo moriré de amor.
Oye el eco de mi canto de cristal,
que no se pierda por entre el ruido manigual.


Image hosted by Photobucket.com

3 Comments:

Anonymous Musas Esqueléticas said...

Que lindo!

17/9/05 21:26  
Blogger pedro said...

já não se fazem músicas assim.

Foi escrita/publicada em 1929 por Ernesto Lecuona que, segundo me dizem, trata-se do Guershwin Cubano. Depois de um mês obcecado com o Chan Chan do Compay Segundo só me faltava mais esta.

Para além de ser muito renitente a sair da sua fazenda e de evitar aviões, o que me pareceu mais interessante da biografia de Ernesto Lecuona é que, aos 7 anos, tocava piano nos filmes mudos dos cinemas de havana.

19/9/05 15:14  
Blogger lebredoarrozal said...

não sabia disso:)

o siboney é o meu vicio desde que vi o 2046 pela primeira vez:)

19/9/05 21:47  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home