#b-navbar { display: none; }

sábado, julho 09, 2005

O meu pai doente de sonhos
no asfalto incandescente de cem mil meios dias caminhados
debaixo do sol na vertical
perdeu os pés
rastejando com os joelhos continua à procura
do caminho de volta para casa.
O meu pai sonha,
derrotado pelo cansaço,
que volta à sua terra, planta as pernas e que lhe crescem pés jovens
e que a seiva da sua terra negra lhe alivia a dor das rugas
e lhe ressuscita os cabelos mortos.
Depois acorda num andar alugado na cidade dos furacões da miséria
e blasfema e maldiz e não tem amigos.

Escondido na noite
o papá chora pelas certezas que o defraudaram.
Do outro lado da sua pele
a mamã chora pela mamã
a mamã chora pela casa onde já não mora
e por paz e descanso e riso.

O papá e a mamã choram
cada um de costas para o outro na cama
no mais cru estrondoso formoso silêncio
que modula em frequências infra-humanas
sons que se articulam como palavras:
“se aqui não estão os meus sonhos
como posso dormir aqui?”.

Apenas eu os ouço
com a cabeça enterrada na almofada.

Concebida da nostalgia
nasci com lágrimas no sexo com terra nos olhos com sangue na cabeça.
Não sou o que sonharam
nem as suas vidas o são.


Miriam Reyes



Image hosted by Photobucket.com

3 Comments:

Blogger José Rui Teixeira said...

A Miriam é extraordinária. A Cosmorama vai editá-la: "Bela adormecida" [com tradução e posfácio do Pedro Sena-Lino] sai em 2005 e "Espelho negro" em 2006. Abraço.

9/7/05 16:08  
Blogger lebredoarrozal said...

os poemas que conheço dela são brutais:)

9/7/05 16:12  
Anonymous Anónimo said...

Por acaso... e a conclusão descarna qualquer onirismo...
Tiago

9/7/05 20:03  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home