#b-navbar { display: none; }

quarta-feira, junho 08, 2005

despir o dia quando os olhos se enrugam e
o teu corpo não tem espaço senão para palavras
que afogas nos lençóis

passas a noite a aprender que
talvez sejam elas o que envelhece no linho

na minha boca há um não te saber dizer
que há cor para além da memória

e entre as margens do lençol já gasto
há sono onde nem todos os sonhos respiram


eue

Image hosted by Photobucket.com

2 Comments:

Blogger Ricardo said...

Sim sim gosto do poema e o poema com a fotografia estão incrivelmente bem compatibilizados. Os dois muito ambos.

8/6/05 01:15  
Blogger contraluz said...

muito bonito.
bom dia!

8/6/05 10:44  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home