#b-navbar { display: none; }

terça-feira, fevereiro 01, 2005


é no interior do sonho que olho (para)
o tempo (que já não respira) atravessado pelo riso

esfarrapam-se os espaços (de contacto) onde me apoio
equilíbrio frágil num trapézio de sombras

esboçam-se sorrisos (escondidos)

ao que realmente existe, acrescento olhares (de espanto)
paisagens por desenhar (para dias de ausência)

assim invento maneiras simples de te escrever
como se saíssem da minha voz as palavras onde
o silencio é adorno


eue

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home