#b-navbar { display: none; }

segunda-feira, janeiro 10, 2005

incendiar, sim, é um processo
mais simples. Cubro a cabeça de cinza
(não de estrelas!), como se fora um aviso.
Eis-nos chegados ao fim
do mundo! É uma parede considerável, um monumento
ao saber mais antigo,

percorre-nos interiormente! E entretanto
entornamo-nos em todos os sentidos, e sei que no meio me esqueço
o essencial, esse frasco de perfume
ao descer o dia? ou seria a noite? quando
as mãos ainda nos aproximavam,

o fogo era uma palavra entre todas a mais fácil,
e só, em nós, a luz vivia.

António Franco Alexandre



0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home