#b-navbar { display: none; }

segunda-feira, junho 14, 2004


A felicidade sentava-se todos os dias no peitoril da janela.

Tinha feições de menino inconsolável.
Um menino impúbere
ainda sem amor para ninguém,
gostando apenas de demorar as mãos
ou de roçar lentamente o cabelo pelas faces humanas.

E, como menino que era,
achava um grande mistério no seu próprio nome.


Jorge de Sena


0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home