#b-navbar { display: none; }

sexta-feira, dezembro 09, 2016

tínhamos os olhos muito abertos.
queimávamos madrugadas de fio a pavio
e as aves desmanteladas que te dava para consertares
conheciam sempre finais felizes.

foram noites gigantes
a olhar pelo buraco da agulha
e a imaginar que do outro lado chegavam as mãos
e as bocas e os peitos.

ocupámos a casa inteira
e suturámos lentamente o coração.

agora estou dentro do sono.
um barco encalhado assinala esta tragédia
e já não sei como convocar os ventos e as marés.
as noites passam lentas e perseguem-me
como animais ainda por nomear.



Leonor Castro Nunes



 photo martinefougereau.jpg

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home